ARTIGO :Santa Páscoa 2021 e a esperança de dias melhores.

ARTIGO :Santa Páscoa 2021 e a esperança de dias melhores.

Vivendo em tempos pandêmicos e, portanto, dias difíceis e incertos, vem à minha mente direitos tão caros  para a humanidade: como a vida e a liberdade. Justamente nestes tempos de pandemia os mais afetados e colocados em xeque. Todos e todas estão (ou deveriam estar)  em uma luta desenfreada pela vida e abrindo mão de uma parte considerável da nossa liberdade, estando confinados em quarentena para protegermos uns aos outros.   

Pelo segundo ano consecutivo estamos vivendo uma Páscoa diferente. Uma imensurável quantidade  de preces e súplicas a Deus da vida para que cesse o mais rápido possível essa peste que assolou e continua assolando a humanidade em todos os cantos do planeta.  Recordo neste momento difícil o Sermão da Primeira Oitava de Páscoa do Padre Antônio Vieira. Ele narra o encontro dos discípulos em Emaús com Jesus Cristo, agora ressuscitado. Aquele encontro substituiu a tristeza pela alegria, a desconfiança em confiança e a esperança foi transformada em uma fé inabalável. Que tenhamos urgentemente o nosso encontro pessoal com o Senhor Ressuscitado!

 

O grande Doutor da Igreja, Santo Agostinho, em seu magistral sermão pascal, afirma que Jesus Cristo prometeu-nos sua vida, e fez muito mais: ofereceu-nos a sua morte como dom maior do amor. Na sua morte está o verdadeiro sentido da vida, vida em plenitude. Eis o fulcro principal da Páscoa:  a morte foi vencida!

 

Após o impacto dilacerante do silêncio da sexta-feira e a angustiante expectativa do sábado, eis que chega o júbilo do domingo: Ele ressuscitou! A morte e o mal foram derrotados e a esperança renasce, apesar das dificuldades. Santo Atanásio de Alexandria assim exprime o significado maior da Páscoa de Jesus: “À festa da páscoa segue-se a festa de Pentecostes, para a qual nos preparamos, como de festa em festa para celebrar o Espírito que já está conosco em Cristo Jesus”.

 

Com a Páscoa de Cristo, renova-se a esperança em dias melhores para a humanidade.  

 

Professor Luiz Carlos R. da Silva